terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Maranhão terra de serpentes e dinossauros

Na sexta-feira passada, (6), uma matéria interessante na revista britânica The Economist [a mais conceituada revista de economia do mundo] falava sobre a vitória do agora então presidente do Senado José Sarney, com a reportagem intitulada "Onde dinossauros ainda vagam", que comenta o passado “histórico” do político que durante 40 anos governou e formou seu império no nosso Estado.

Segundo a reportagem, a eleição de Sarney seria um regresso a políticas semi-feudais que ainda prevalecem em alguns estados do Brasil. Com um apoio do presidente Luis Inácio da Silva, está é a terceira vez que o político assume o cargo de presidência do senado, um cargo que lhe da um grau de grande controle sobre a agenda do governo e oportunidades para nomear funcionários públicos.

Esta escolha de Sarney para um cargo tão poderoso irá fortalecer seu poder e suas alianças no Estado do Maranhão, o que é triste para os que achavam que seu império estava entrando em declínio.

A reportagem afirma que a situação no Maranhão é caótica, que beira um total abandono. Na capital do Estado, buracos, trânsito caótico, pobreza em massa, segurança publica fragilizada, hospitais sucateados, são heranças deixadas por aquele que afirmou em 1966 [quando recebeu do povo o direito de governar nosso estado] que iria mudar a face do maranhão 100% pobre.

Hoje o que percebemos é que “o Maranhão da liberdade e do progresso” citado por Sarney no fim do seu discurso de posse em 1966, está apenas em sua cabeça.


7 opiniões:

Pedro Igor Ribeiro disse...

O caos em São Luís não é culpa exclusiva de Sarney. Esse repórter passou muito pouco tempo no Maranhão.

Andreson Lima disse...

caro Frank, veja este trecho de um artigo do mesmo tema do seu:

De um artigo de Said Barbosa Dib publicado hoje (10) no Observatório da Imprensa (de Alberto Dines):

The Economist contra Sarney — Na Inglaterra, o tradicional The Economist, panteão máximo do neoliberalismo, é uma das maiores vítimas da crise que ajudou a construir. Hoje a revista parece não ter condições financeiras mínimas. Está partindo para o desespero e aceitando verdadeiro arrendamento de seus espaços, não só publicitários, mas também nas seções de opinião e até nas matérias principais.

a fonte foi o blogue do colunao da uma olhada lá....

Frank Lima disse...

Concordo com sua colocação amigo Pedro, mas analise a conjuntura dos 40 anos passados por ele no comando de nosso governo, pouco se fez, continuamos com os piores indicies de desenvolvimento humano do país, não afirmei em momento algum que a culpa era exclusivamente dele, mas culpa ele tem e muita.

obrigado pelo seu comentário.

Frank Lima disse...

amigo Andreson, li todo o texto no blog do Walter Rodrigues, mas ainda acho que a matéria na [the economist[ ainda procede, mesmo tendo "talvez" sido feita pelo Reinaldo Tavares, se foi ele ou não? Nem discuto isso, se a matéria foi comprada, tbm não discuto, mas a veracida da matéria é indiscutível.

Todos sabemos que o que esta ali é verdade.

E vamos aguardar o julgamento do nosso atual governador e se ele for culpado, tem mesmo é que pagar por seus erros.

abraço querido amigo.

Frank Lima disse...

[...]Sarney abalou-se com a matéria da Economist por vaidade. A imagem de dinossauro estraga a sua figura enfatiotada pelos jaquetões, confronta a imagem que tem de si mesmo. Além disso, não pode esquecer que a sua força começa no próprio quintal, por isso não pode dar trégua ao bando adversário.

Se a reportagem da Economist focalizasse com destaque o império midiático de Sarney ou a vergonhosa questão das concessões, a bola-de-neve poderia enfim rolar. No sexto parágrafo de uma matéria de oito, a aberração fica amenizada.

[...]Sarney é um dinossauro. Vai sobreviver porque não é único.

Por Alberto Dines em 10/2/2009

no site do Observatório da imprensa.

[M]. Cartágenes disse...

POde parecer falso heroísmo, ou coisa do tipo, mas, é pra isso que estudo comunicação. Investirei em mim para ser melhor, e com a ajuda de muitos amigos na área da lei, poderei me livrar ou não dos processos. Cooperar pro crescimento da minha terra, meus valores, meu "mundo".

Frank Lima disse...

"Nos últimos sete anos um grupo político rival controla o governo estadual do Maranhão [ o governador Jackson Lago, do PDT]", afirmou ele."Concordo plenamente que o estado de conservação da cidade de São Luís [MA] é lamentável, mas é um absurdo debitar-me este fato, uma vez que meus adversários políticos administram a capital há 20 anos", disse o presidente do Senado JOsé Sarney(PMDB-AP), ao jornal Folha Online.

Sarney está processando a revista por comparar sua vitória com semifeudalismo.