domingo, 26 de julho de 2009

Família Sarney tem patrimônio de “R$ 250 milhões"

Família Sarney se tornou dona de um patrimônio estimado em mais de R$ 250 milhões, boa parte na forma de imóveis e emissoras de rádio e televisão.
Além da casa na Península dos Ministros, Lago Sul de Brasília, avaliada em mais de R$ 4 milhões de reais e dos vários terrenos no município de Santo Amaro o senador investe a cada dia no seu principal negócio: As concessões de TV e rádio que fazem dos Sarney os proprietários de um pequeno império de comunicação, o maior do Maranhão.
A Rede Mirante, afiliada da Rede Globo, possui geradoras e repetidoras espalhadas por todo o Estado. As rádios da família também se disseminam pelo Maranhão. O conglomerado de mídia dos Sarney inclui ainda o maior jornal local. Estima-se que só o valor de mercado dessas empresas ultrapasse os R$ 200 milhões. A família também possui uma vasta carteira imobiliária. São casas, terrenos, apartamentos e áreas rurais que se espalham pelo Maranhão, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Brasília.

Bens – Curiosamente, essa fortuna passa longe das declarações de bens do patriarca, José Sarney. Embora seja o grande responsável por construí-la, o senador faz questão de deixar a maior parte do patrimônio em nome dos filhos. Em suas declarações, não há referência a uma ação sequer das empresas de comunicação, por exemplo. A ilha de Curupu e a casa colonial que Sarney construiu num dos pontos mais valorizados da orla de São Luís também estão fora de suas listas de bens. O expediente é sempre o mesmo: Sarney repassa os ativos aos filhos por meio de doações. Um exemplo ilustrativo é o da ilha de Curupu.
A ilha foi uma herança da família de Marly, mulher do presidente do Senado. Foi, na origem, uma doação a frei Francisco Mata Borges, no século 18. Tem 16 quilômetros quadrados. há três casas interligadas por passarelas suspensas que servem a quem quer ir de uma casa à outra nos horários de maré cheia. Uma das casas foi construída pela filha de Sarney, Roseana, e pelo marido, Jorge Murad, há menos de dez anos - tem 12 quartos e estrutura de madeira de lei. Possui um atracadouro, construído no fim de um canal dragado especialmente para permitir que as embarcações da família possam se aproximar. Tudo isso está num pedaço espetacular do litoral do Maranhão, onde é possível chegar apenas de barco ou helicóptero.
De Cima – Só é possível ter uma ideia da estrutura construída pelos Sarney olhando a ilha de cima. Os moradores dos povoados perto de Curupu não fazem ideia do que tem por lá. A mata em volta das casas não permite ver a área privativa. "Eles não deixam andar por lá, não. Eu nem sei como é lá dentro", diz Aldeniron Rodrigues Santos, 41 anos, que toma conta de uma casa de veraneio do outro lado da baía e costuma pescar nas proximidades de Curupu. "Só vejo o movimento de barcos quando tem alguém dos Sarney lá", conta.

[Matéria completa aqui]

2 opiniões:

Pedro Ferreira disse...

Seria tb interessante analisarmos às custas de que ou de quem Sarney construiu todo esse patrimônio. Outra coisa interessante a pontuarmos é por que alguém tão rico ainda se serve tal qual um parasita dos benefícios públicos a ponto de empregar parentes. Franklin, sempre venho ao seu blog,está excelente esse layout,as matérias pricipalmente.

Everardo Torres disse...

De todos que participaram da trama para a cassação de Fernando Collor só restava Sarney. Parece que agora chegou a sua vez. www.folhadebatalha.com