terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Forum Social Mundial 2009

Mais de 100 mil inscritos, 2000 mil voluntários e uma cidade sem infraestrutura para organização de um evento do porte gigantesco do Fórum Social Mundial.

Dia 27 de janeiro de 2009, Belém se da conta de um numero colossal de pessoas que invadem as principais ruas em volta de onde seria realizado o evento, mais de 50 mil pessoas [fonte: jornal local] reunidas com um simples propósito, "um pensar sobre um mundo melhor". Todos nas ruas para a passeata que abriria o FSM 2009.

Ao redor da cidade, não se falava em outro assunto, em todos os jornais, na mídia completa da cidade, em outdoors espalhados e em todo lugar, Belém respirava a magnitude do evento e as pessoas respiravam a desorganização do FSM 2009.

“O governo só começou a se preocupar com este Fórum, no inicio deste mês, investimentos vieram e não são vistos, obras inacabadas estão por toda parte, pessoas completamente desinformadas e uma estrutura que deixa a desejar”, estas foram as palavras de um jovem voluntario, Toki Coelho, 21 anos, estudante de artes visuais.

Cerca de 150 milhões de reais foram investidos, a maior parte foi para a segurança publica, que enfrentava um colapso, e pelo que se viu, nada foi resolvido, sem um real policiamento pela cidade, o sentimento era de uma superficial segurança. Segundo dados da secretaria de segurança, cerca de 300 policiais da Força Nacional estavam em Belém para ajudar na segurança do Fórum.

O dia 27 foi marcado pela gigantesca passeata que movimentou a cidade, a noite chegou e todos aguardavam as reais atividades que aconteceriam no decorrer do dia 28 em diante.

Com uma programação de mais de 100 paginas, com milhares de atividades, os inscritos se perdiam com toda uma programação voltada para um mundo melhor.

Logo no inicio do dia 28, os participantes se depararam com uma movimentação na UFRA, de índios oriundos de diversos países da America [segundo informações secundárias], eram mais de 5.000 mil índios de países como; Peru, Equador, Bolívia, Equador, que se juntaram as varias tribos que vieram do Kenia e de outras regiões do globo terrestre apenas com um propósito “Preservar e salvar a Amazônia”, foi o que afirmou, Délio Alves, líder do movimento indígena.

Durante o dia, as pessoas se organizavam nos vários cantos que estavam sendo realizadas as atividades do Fórum, ônibus foram disponibilizados pela prefeitura para o transporte gratuito dos participantes, segundo dados oficiais da organização do evento, 40 ônibus especiais foram disponibilizados, ônibus estes que geravam certas reclamações por parte dos usuários, que afirmavam que os proprios eram velhos e não ofereciam segurança [matéria publicada em um jornal local].

À noite, os participantes do Fórum puderam prestigiar além do tão conhecido tecnobrega da região, um belo show do cantor Seu Jorge, que fez um ótimo show em uma bela casa de espetaculos [Hangar], para a alegria de mais de nove mil pessoas que estavam no local.

Dia 29, Lula chegou a Belém, e junto a outros políticos discutiu sobre a importância do FSM, criticou países ricos e falou sobre a crise financeira que está afetando o mundo.

À noite, a cultura maranhense tomou conta de um palco feito no ambiente da Universidade Federal do Para (UFPA), com o show de Rosa Reis e o cacuriá de Dona Teté, o publico presente, se apaixonou pelo ritmo maravilhoso do Maranhão que encantou Belém do Pará.

Nos demais dias, shows culturais e muitas discussões acerca de temas preocupantes tiveram vez em todos os cantos do evento.

Aquecimento global, monopólio de grandes mídias, a problemática na Amazônia, direitos do indivíduos, globalização, dentre outros, foram focos de palestras, oficinas e workshops, organizados por toda grande Belém.

Dia 31, Uma marcha da maconha foi realizada pelo campo da UFRA, o que reuniu mais de 30 mil pessoas, evento que marcou o penúltimo dia do Fórum.

Dia 01, todos já se preparavam para ir embora.

À noite, o show de Jorge Benjor encerrou o Fórum Social Mundial 2009.

Obs.: alguns problemas ocorreram e não pude disponibilizar os boletins diários como prometido.

Desculpem pela frustração.


5 opiniões:

Victor Hugo disse...

- Aí Tio, quer um hambúrguer?

Frank Lima disse...

só se for a moda da casa! rs

Victor Hugo disse...

Só se for a moda da casa invadida ( arrombada ), como preferir.

[M]. Cartágenes disse...

Eu sei bem que tipo de dificuldades foram essas!

Liliam Freitas disse...

Na verdade, a cidade tinha e tem sérios problemas, alguns amenizados com a PM e seu coletinho básico e os homens da Força Nacional. Infelizmente isso ficou visível, não poderia ser contrário.
Eu particularmente me sentir segura, não tive problemas, e olha que estava no Guamá