quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Jornal “Aqui”


Jornal a preço popular tenta democratizar informação na capital, mas excede em erros ortográficos e apelações machistas em suas capas.

O jornal Aqui do Grupo Diários e Associados o mesmo do (O imparcial) dá um show de erros em seus periódicos diários. A um preço de R$0.25 centavos na capital e R$0.50 centavos no interior, o jornal redigido com um texto pobre, deixa muito a desejar aos seus leitores mais atentos.

Dono de uma linha apelativa expondo todos os dias na metade de sua capa, mulheres semi nuas, o jornal esquece o seu conteúdo informativo e social. Talvez pelo preço simbólico não haja preocupação em redigir de maneira melhor as matérias que mais parecem notinhas de imprensa por conta dos seus tamanhos. Com isso, sobram reclamações de leitores que por R$0.25 centavos acabam pagando caro para tentar ter uma boa leitura.

6 opiniões:

Pedro Ferreira disse...

Fazer um jornalismo popular não significa necessariamente subestimar a inteligência do leitor - já bastam os jornais que circulam periodicamente em nossa cidade.O pobre também tem o direito de saber claramente o que acontece a sua volta - por não viver necessariamente em nome da bundalização ou desgraça alheia. O dever do jornalista é informar acima de tudo e nao ludibriar o leitor com receitas que ja sabemos dificilmente dar certo por muito tempo.

... Matheus ... disse...

é verdade tem muita gente que usa como artifício para atrair leitores conteúdos como belas mulheres quando devia era simplesmente informar o povo das mais diversas situações se quer ver mulheres compra playboy isso é concorrência desleal xD

http://zcolmeia.blogspot.com/

RUBRO NEGRO disse...

Apesar dos pesares sempre sou a favor da disseminação da verdadeira notícia, que ela seja imparcial, fácil, sem tabulísmos sociais, afinal sem preconceito. se formos levar ao pé da letra caro amigo escritor púdico e normalista ranzinza, poucos escreveriam nesse País, e menos seriam os que leriam qualquer coisa.
Então que a informação venha e vá, com livre direito de ir e vir, como nós que andamos mesmo desconhecendo as leis de Newton, que o preconceito literário seja sim, impedido de ser proclamado e que cada vez mais o povo interaja com sua realidade, sabendo ou não como nasceram e foram formatadas as regras...

" As palavras nascem livres e rebeldes, morrem e são escravizadas quando se vêem presas ao cárcere das gramáticas." Millôr

Anônimo disse...

Caro Lima, você com esses comentários (jornal aqui) não só está se igualando, como decaindo da sua inestimavel inteligência, portanto deixe de fazer midia com trabalhos alheios e faça o que você sempre fez agora criticar um amigo eu particularmente não acho legal, fica a impressão de um pouco de ciúmes.Acho que vc entendeu!!! não sou leitor dessa midia mas não concordo.

Luiz Fernando

Frank Lima disse...

respeito sua opnião caro amigo Luiz, mas tive que colocar minha opinião sobre um jornal que achava pobre em seu conteudo, esta minha "midia independente" serve para que eu escreva e comente sobre quaisquer assuntos que achar interessante serem comentados.

não vejo como "ciumes" tal comentário, acredito que você não entendeu muito bem o que quis passar, mas obrigado pelo comentario e pela leitura do post caro amigo.

espero outros comentarios de sua pessoa, abraço e sucesso.

pS: confesso que atualmente minha opinião já e diferente sobre este meio de difusão de informação.

zilda disse...

aqui na cidade operaria ninguem pode sair com bolsas porque os marginais usam motos para fazer arrastão tomando tudo, principalmente no horário da manhã no momento que as mulheres sai para as paradas de onibus,o jornal aqui é um meio de comunicação, e pode divulgar as autoridades competentes ok...